Luzes da Cidade

por Monique Burigo Marin às 4:21 PM
Fotografia: Joanna

  Há um lugar aonde vou depois que o sol puxa o cobertor fresco de estrelas. De lá posso ver as luzes da cidade, que não são menos interessantes do que as luzes do céu. São apenas manias inocentes e incuráveis. Tente entender.
  É que sei que as luzes da cidade iluminam seu caminhar na volta para casa. Quando já estás cansado de todas as luzes do mundo e só o que precisas é deitar logo a cabeça na cama cheia de travesseiros.
  Então eu venho até aqui, apoio a cabeça nas mãos e procuro por você no meio dessa confusão. Aliás, hoje procurei por você o dia todo na rosa que guardei entre as páginas de algum livro meu. Ela não estava lá. Você não estava lá.
 Sinto saudades das suas manias de organizar do seu jeito a minha organização e acabar bagunçando tudo, sem intenção. Sinto falta da sua falta de cuidados com as coisas e do seu excesso de zelo para comigo. Sinto, às vezes, que estamos os dois em lados opostos do globo; e você está bem aqui, ao meu lado. Sinto saudades até dos seus batimentos cardíacos que sempre me deprimiam. Eles nunca deveriam parar.
  Então a cidade apaga. Abandona-me. Deixo minha luz acesa que é para não me perder também. Depois faço meu casulo com o edredom e cubro até a cabeça, pois quando tudo fica deserto assim, temo que os vazios preencham o mundo.

Monique Burigo Marin

14 comentários on "Luzes da Cidade"

Lika on 1 de agosto de 2011 18:06 disse...

seu blog é mais do que para ser lido, é para ser sentido! Parabéns!

Iguimarães on 1 de agosto de 2011 20:15 disse...

Quando não está nem o pior,o duro mesmo é saber quando irá voltar

Acácio Neto on 2 de agosto de 2011 08:53 disse...

Adorei seu texto.
Muito bonito.

Como disse a colega Lika, não são coisas para serem lidas, e sim sentidas.

Abraços
Acácio Neto
www.acacioneto.com.br

Rejane Ferreira on 2 de agosto de 2011 14:29 disse...

Que lindo texto.. adorei! O blog tb é um máximo, Parabéns!

Um abraço. =)

Cícero Barbosa on 2 de agosto de 2011 15:41 disse...

a inocência é algo tão doce.

Clara on 2 de agosto de 2011 17:03 disse...

A frase mais triste: "Eles nunca deviam parar". Me identifiquei, apesar de achar que esse texto esconde uns significados infelizes.

Muito tocante! ^^

Lucas Montenegro on 2 de agosto de 2011 21:09 disse...

Texto bonito! Sinto nele uma certa angústia, e amor também. É de uma tristeza bonita. Essa é minha interpretação pelo menos, mas com certeza é um texto bonito.

Abraço!

Gustavo Machado on 2 de agosto de 2011 21:46 disse...

A ausência é tão presente que chega a ser tangível, só que de uma forma que não podemos afastar, parece que há uma magnetismo entre a fragilidade e aquilo que já se foi... Lindo!

Não se preocupe, para mim, desistir de escrever é o mesmo que não querer mais nada da vida.

Até!

Dan Arsky Lombardi on 11 de agosto de 2011 22:30 disse...

Nessun dorma! Nessun dorma!
Tu pure, o, Principessa,
Nella tua fredda stanza,
Guardi le stelle
Che tremano d'amore
E di speranza.

Não sei se conhece "Nessun Dorma" mas me lembrou essa canção.

Letícia Ramos on 18 de agosto de 2011 12:49 disse...

Fazia tempo que não comentava aqui. Saudades. :)

Dan Arsky Lombardi on 18 de agosto de 2011 22:20 disse...

Você que gosta dos devaneios nas obras de arte vai gostar do meu último post. Pensei em você quando estava postando.

http://800gritosmudos.blogspot.com/2011/08/grito-numero-cento-e-quinze.html

Simone Lima on 19 de agosto de 2011 15:29 disse...

Monique tem um selo lá no meu blog pra você

Um beijoo'o

Dan Arsky Lombardi on 28 de agosto de 2011 21:17 disse...

Meu último post é sobre elefantes e tem muito a ver com você. Apareça.

Dan Arsky Lombardi on 8 de setembro de 2011 21:26 disse...

Florzinha,
Eu sou adepto do "Copyleft", que funciona ao inverso do Copyright. Não quero direitos autorais, quero que usem a vontade tudo que eu criei, desde que eu seja citado e não plagiado. Ou seja, divirta-se. Se você quiser o desenho do elefante em branco ou em maior resolução. Estou a disposição. Me mande um email para dangvx@gmail.com pedindo.

 

Template e imagens do layout por Wiliam Jose Koester.