...

por Monique às 1:05 AM

Tudo começou com mãos se tocando sem querer querendo, depois, um cafuné. Não que eu esteja surpresa, é sempre assim que o tudo começa e se expande dentro de mim. Mas, é claro que há os outros começos de que não me esqueço, nem menos importantes, nem mais surpreendentes.
E, há algo imutável. Um rosto insuportavelmente perfeito, aquele andar de quem não tem nada a perder, misturado ao quase-sorriso que se abre aos poucos e então reluz, sem cogitar a possibilidade de esquecer a profundeza do olhar daquele eterno garoto.
Ele tem a respiração mais suave que já ouvi, uma risada macia como veludo, pronuncia palavras que se tornam ecos, tem um bolso cheio de sonhos que chacoalham, e rugas de expressão invisíveis quando adormece. Eu queria dizer que amava vê-lo despertar, que era como vê-lo renascer - uma fênix azul, terrivelmente permanente.
Que droga de molduras eram aquelas nos olhos dele? Como se fosse necessário realçá-los ainda mais. Egoístas, como dois faróis de néon em uma noite escura. Como uma tempestade em uma tarde de verão.
Eu fico contornando aquele rosto até minhas mãos formigarem, até o sangue ter dificuldades para circular. Tentando decorá-lo para não esquecê-lo, tentando disfarçar que ainda não o sei de cor, de trás para frente, de ponta-cabeça, de olhos vendados. Sentindo a dor de vê-lo partir, sentindo o medo de que ele não retorne, sentindo o tudo se esvair... Derrotado.
Ele é um paradoxo cheio de cicatrizes, ligeiramente fora de alcance. Logo ali, dobrando a esquina, sua alma repousa em um banco solitário da pracinha, lendo livros com cara de lidos, com o coração pulsando na cabeça. Ele é uma farsa, uma ilusão de óptica, igualzinho a reticências seguidas de um ponto final.

Monique.


http://www.youtube.com/watch?v=8_kFK6d5p6o&feature=related

9 comentários on "..."

Flávia Lago on 3 de fevereiro de 2009 21:01 disse...

Muito lindo, já encontrei muitos assim nos caminhos tortuosos que meus pésinsistem em caminhar...

Obrigada pela visita.

Fabio Alx on 4 de fevereiro de 2009 20:06 disse...

fenomenal... um dia encontro alguém q veja a vida assim...rsrs

Diógenes Daniel on 4 de fevereiro de 2009 22:26 disse...

puxa! Bom demais!!

palavraacida on 5 de fevereiro de 2009 13:23 disse...

Ótimo texto eu moça. Hoje em dia isso é raridade, parabéns.

Anynha ^^) on 5 de fevereiro de 2009 18:10 disse...

Adoreiiiii o texto..Parabens pelo blog....

By Anynha ^^)
www.garotas-amc.blogspot.com

Karol on 5 de fevereiro de 2009 18:46 disse...

Oii..que blog legal..adorei!! ontem eu fiz cupcakes, fiz de chocolate e de cobertura usei um ganache de chocolate branco...não ficou bonito igual ao da foto, mas ficou gostoso.... ví uma receita, daquela cobertura tipo glacê que coloca em cima, é feita com cream cheese....depois vou comprar e fazer.... adorei seu blog
bjoo

Thiago Toscani on 12 de fevereiro de 2009 13:28 disse...

Incrível como fica fácil visualizar tudo enquanto leio seus textos. Parabéns, de novo!

Bruna Berri on 12 de maio de 2009 21:34 disse...

Meu preferido!

Iguimarães on 23 de outubro de 2010 22:36 disse...

Achei interessante a queda de força das palavras marcadas. Ou melhor a queda da positividade. Uma escada da perdição( no sentido literal).

O narrador parece ser uma criança,mas se fosse bem madura. Acho melhor pensar que é uma adulta inocente,romântica, descompromissado,como todos deveriamos ser hehe

Acho maneiro usar os mesmos personagens,eu tenho um fascínio pela inovação, acho que nunca repeti.
Um beijo

 

Template e imagens do layout por Wiliam Jose Koester.