Sonhos de Plátano

por Monique às 10:21 PM

“Para o resto de nossos dias”, foi o que sussurrei de olhos fechados e ainda embaixo das cobertas. Algo estava acontecendo, era estranho me imaginar daquele jeito, mesmo assim lá estava eu eufórica com um vestido longo e branco – ou talvez fosse azul claro e eu estivesse tentando enganar a mim mesma – haviam fitas de cetim azuis e brancas que enroscavam-se por todo o comprimento de meu cabelo. Nada de véu. Uma gargantilha de botões azuis e brancos alternadamente enfeitavam meu pescoço, os sapatos escondiam-se por debaixo de tão longo vestido, mas tenho quase certeza de que eram os mais confortáveis do mundo, pois sentia como se estivesse pisando nas nuvens, como se fosse tão leve que elas pudessem suportar meu peso facilmente sem perder suas belas formas.
Olhando ao meu redor eu pude perceber, era outono. Muitas árvores cercavam o lugar, seus galhos eram todos retorcidos e sem folhas, todos exceto um, que parecia revoltar-se contra sua própria natureza, e possuía uma única folha (de plátano) que permanecia insistente e frágil no seu topo. Olhei em frente e lá estava o caminho mais curto para a minha felicidade, nele haviam bolinhas de gude por toda sua extensão iluminando a passagem, eram roxas, azuis, e transparentes. Brilhavam muito.
Eu estava em pé, segurando um buquê de rosas azuis – talvez você nunca entenda o porquê de serem tão azuis assim - com as pernas bambas só de pensar quantos olhares estariam voltados em minha direção no momento em que a música começasse a tocar. E se eu caísse? E se meu vestido rasgasse? E se eu me engasgasse com a saliva e não conseguisse falar?
Formando um triângulo haviam hastes de madeira enfeitadas por espirais de orquídeas. Nas cadeiras, seda branca e pálida. Por todo o chão grama verde. O vento brincava com as folhas cinzas caídas elegantemente no verde macio, logo ao lado havia um riacho que corria lento e em sentido anti-horário, talvez houvesse perdido algo no caminho e desejasse voltar.
Ao som da primeira nota, o meu primeiro passo solitário e irrepreensível rumo a algum lugar que só eu sabia onde ficava. Estava sorrindo de um jeito que nunca havia sorrido antes, o óbvio ululante de felicidade que eu deixava transparecer na minha respiração não me incomodava, nem um pouco.
Outro passo, e outro, e mais outro, até aqui tudo bem. Segui em frente, e em poucos segundos lá estava eu, em frente ao altar, onde alguém dizia alguma coisa pausadamente, mas eu não estava prestando atenção. Escutei meu nome, e respondi apenas “eu aceito”, era uma parte da minha verdade que eu estava entregando para você, quem era você? Eu não sei. Talvez eu nunca descubra, já que nesse instante um raio vindo do céu atingiu o chão desordenado, um abismo se abriu lentamente a minha frente, caí dentro dele. Sim, eu caí. E continuava caindo sem parar e agora nem mesmo eu sabia onde iria chegar, o escuro e o medo desmancharam meu vestido branco – talvez azul – desfazendo o final encantador onde as pessoas estariam soprando bolhas de sabão em minha direção, e em direção a aquele que estaria segurando minha mão rumo a eternidade, só para escutar o “ploft” que fazem os sonhos condensados desmanchando-se no ar. Estava agora em uma cama estranha com uma camisola nem azul, nem branca, vermelho sangue mesmo.
Sentei desesperada, eu precisava voltar ao sonho e ver o seu rosto, te ouvir responder “eu aceito”, te dar um beijo e acordar feliz. Deitei outra vez, fechei os olhos, tentei voltar pro mesmo sonho. Fracassei, desisti. Abandonei meus sonhos interrompidos, talvez eu fosse prisioneira deles, e você tivesse ficado preso por lá também, acordei para o mundo real.
Segui até o jardim, e olhando ao meu redor eu pude perceber, era outono. Muitas árvores cercavam o lugar, seus galhos eram todos retorcidos e sem folhas, todos exceto um, que parecia revoltar-se contra sua própria natureza, e possuía uma única folha (de plátano) que permanecia insistente e frágil no seu topo, o vento soprou forte, a folha caiu em cima da minha cabeça, o vento soprou outra vez, ouvi sua voz dizer quase em um sussurro “eu aceito”.

Monique.

11 comentários on "Sonhos de Plátano"

Ricardo Thadeu on 30 de julho de 2008 12:36 disse...

Excelente narrativa, moça.
O desfecho com um retorno em sonho arrepiou minhas espinhas.

Parabéns.
Abraço.

ann* on 30 de julho de 2008 12:40 disse...

Arrepiante mesmo.

E eu sempre sonho em casar no outono. É tão mágico e tão sóbrio. Acho lindo.
Parabéns pelo texto.

http://sickyouth.blogspot.com

Jonatas Fróes on 30 de julho de 2008 13:12 disse...

Muito bom texto! Achei uma ótima narrativa, sobre um tema até que pouco abordado. Bastante criativo e emocionado ^^

;*

http://musica-holic.blogspot.com/

Fernando Gomes on 30 de julho de 2008 13:25 disse...

Nota 10 em criatividade, mas não me prendeu tanto assim.

Parabéns pelo blog, é muito bom.

Nety on 30 de julho de 2008 19:19 disse...

aaaaaaa gostei né *-*
tais me saindo uma ótima escritora
ASDKOPASKODP (l)

Marco on 30 de julho de 2008 20:41 disse...

eu gozei horrores de tanto rir de ontem HAHAHA

eu pensei que a mão gelada que arrancava era de algum dos personagens ¬¬

"Vou ficar rica daí ! Vou comprar homem, levar pro quartinho e fazer horrores!"

IUAHISUHDIUASHDUIASD

Cleidemar on 30 de julho de 2008 20:49 disse...

"sob a doce luz da lua se erguerá um belo altar, entre um milhão de flores é onde vamos nos casar..
quero ouvir vc dizer que sim!dizer que sim!!quero ficar com vc até o fim! até o fim!!

lembrei dessa musica...de meus sonhos...de meus amores ..de minhas promessas..e da minha solidão...mas enfim...

passa lá:

http://blogdocleidemar.blogspot.com/

Bruna Berri on 30 de julho de 2008 21:09 disse...

muuuuuuuito bom! *---*
gostei gostei gostei gostei³.
minha futura escritora de sucesso!
(ll)@:

Cleidemar on 30 de julho de 2008 21:40 disse...

oii..valeu pela visita tbn hehe...

a musica? é de uma banda aqui do rio grande do sul chamada rosa tatooada!! é uma banda de rock, não sei se vc curte!!o nome da musica, bah dái tu me pegou!esqueci! cantava essa musica pra uma moça muito especial!

bjs..e sempre que puder vista lá!sempre que eu puder passo por aqui..to add nos favoritos...

Keloane Mendes on 31 de julho de 2008 20:49 disse...

você com certeza sabe escrever muito bem e transmite o que sente de uma forma muito gostosa de se ler!
adorei o texto
beijo :*

Camila Locatelli on 2 de novembro de 2010 16:08 disse...

Ameei seu texto
simplismente perfeito

 

Template e imagens do layout por Wiliam Jose Koester.